05 maio A EXPERIÊNCIA E A EFICIÊNCIA RUMO A ADVOCACIA 4.0

O uso da inteligência artificial em incontáveis setores da economia nos chamou atenção para a necessidade nos tornarmos cada vez mais eficientes nas atividades do escritório. Sempre buscamos alternativas inovadoras para agilizar processos internos, todavia, a partir de 2018, a possibilidade de automatizar tarefas – tornando-as mais objetivas, intuitivas e, principalmente, protegidas de erros humanos – se tornou uma realidade inescapável.

Dentro desse novo contexto, começamos a trazer para o nosso time pessoas que pensavam para além do direito e enxergavam que o caminho mais viável e efetivo para as resoluções de demandas passava, claro, por uma sólida formação jurídica, mas também pela inovação tecnológica.

Os sócios mais familiarizados com esse mundo de disrupções e tecnologia participaram de diversos cursos e eventos (remotos e presenciais), objetivando expandir nosso ferramental e utilizá-lo no aprimoramento das formas de trabalho. Por fim, embarcaram numa imersão para aperfeiçoamento de suas habilidades de arquitetura e engenharia jurídica, as quais são aplicadas com sucesso em nossa rotina.

O aprimoramento gerado com esse movimento pretende eliminar a repetição de tarefas mecânicas, dando a todos os colaboradores mais espaço para pensar os problemas e as dores trazidas por nossos clientes. Dando ao robô o trabalho de robô, eliminando erros, aumentando o controle e o sequenciamento de atividades, reduzimos custos e criamos indicadores que nos auxiliam a ser não apenas mais eficientes, como também mais eficazes e efetivos nas respostas oferecidas.

O caminho percorrido até agora tornou extremamente simples e suave a transição para o isolamento imposto em função da pandemia de COVID-19. Com todas as nossas ferramentas e dados disponíveis na nuvem já há algum tempo, a principal mudança na rotina de produção foi a substituição de reuniões presenciais por videoconferências, o que, em função da necessidade de maior estruturação para tais atos, apenas fez crescer a organização e o engajamento do time.

Notamos que as aplicações (que passamos a utilizar com mais intensidade) tornaram o trabalho mais completo do que antes. Cada reunião passou a gerar um histórico automático em nosso banco de dados e, às vezes (quando útil), uma gravação em nosso serviço de streaming. Nossa suíte de aplicativos permite colaboração em tempo real, o que agora se prova mais relevante do que as anteriores conversas no pé da mesa ou no cafezinho. As ferramentas de comunicação estruturada aumentaram o volume de registros e a possibilidade de obtenção de contexto (sobre qualquer caso) em poucos instantes, fazendo crescer também a capacidade de cada colaborador poder intervir de modo positivo mesmo fora de sua equipe.

Pessoas continuam sendo nosso foco, sejam elas clientes, colaboradores, fornecedores e/ou parceiros. O que parece ter se estabelecido de maneira mais estável, porém, é o ensinamento de que a colaboração não precisa ser presencial: online nos é possível acessar uns aos outros confortável e produtivamente, usando dos encontros físicos, quando voltarem a ocorrer, mais como espaços de reafirmação dos laços humanos do que como requisitos para sermos capazes de entregar serviços.

 

Dra. Ana Caroline Pereira